Fastest-Pesquisa-Neuromarketing-logo.png
aeee12_f9356d702ce641e3822feec2e33e333b_mv2.jpg

A memória e seus vieses

 

Você já confundiu os detalhes de uma história com os detalhes de outra? Por exemplo, ao contar a um amigo sobre suas últimas férias você pode erroneamente ter relacionado um incidente que aconteceu nas férias que você tirou há vários anos.

 

Este é um exemplo de como podemos formar falsas memórias. Isso pode envolver a combinação de elementos de diferentes eventos resultando em uma história coesa, não lembrar de onde você obteve uma determinada informação ou até mesmo recordar eventos imaginados de sua infância e acreditar que eles são reais.

 

Ao formar uma memória nem sempre nos concentramos nos detalhes e, em vez disso, lembramos de uma impressão geral do que aconteceu. A teoria dos traços confusos sugere que às vezes fazemos traços verbais de eventos e outras vezes fazemos apenas traços de essência. Os traços verbais são baseados nos eventos reais como realmente aconteceram, enquanto traços de essência estão centrados em nossas interpretações de eventos.

 

Como isso explica falsas memórias? Às vezes, a forma como interpretamos a informação não reflete com precisão o que realmente aconteceu. Essas interpretações tendenciosas podem levar a falsas memórias dos eventos originais.

 

A memória humana constantemente se adapta e se molda para se adequar ao mundo. Todos nós geramos falsas memórias e o artista AR Hopwood vem as "coletando". No último ano, ele pediu ao público que apresentasse falsas lembranças para que ele as transformasse em representações artísticas. O público variou desde a crença de comer um rato vivo até uma memória de ser capaz de voar quando criança.

 

Um homem acreditava que sua namorada tinha uma irmã que morreu enquanto estava no dentista. Tão forte foi sua convicção de que ele manteve todas as visitas ao dentista em segredo. Ele relatou que, durante um jantar ela disse que ia ao dentista na semana seguinte. Tudo ficou quieto na mesa e sua mãe disse que devia ser difícil para ela visitar o dentista depois do que aconteceu...

 

Este não é um caso raro. Neurocientistas dizem que muitas de nossas memórias diárias são falsamente reconstruídas porque nossa visão do mundo está em constante mudança.

 

Pistas sutis podem facilmente direcionar nossas memórias na direção errada. Um famoso experimento realizado por Elizabeth Loftus na década de 90 revelou que ela foi capaz que 25% de seus participantes acreditassem em uma falsa memória de que foram perdidos em um shopping center quando criança.

 

Às vezes, informações precisas são misturadas com informações incorretas, que então distorcem nossas memórias dos eventos. Loftus estuda falsas memórias desde a década de 1970 e seu trabalho revelou as graves consequências que a desinformação pode ter na memória.

 

Enquanto os pesquisadores ainda estão aprendendo mais sobre os mecanismos por trás de como falsas memórias se formam, é claro que a falsa memória é algo que pode acontecer com praticamente qualquer um. Essas memórias podem variar do trivial ao que altera a vida, do mundano ao potencialmente fatal. "Quase duas décadas de pesquisa sobre distorção da memória não deixam dúvidas de que a memória pode ser alterada por sugestão", escreveram Elizabeth Loftus e Pickerell em um artigo de 1995.

 

"As pessoas podem ser levadas a lembrar seu passado de diferentes maneiras, e elas até podem ser levadas a lembrar eventos inteiros que nunca realmente aconteceram com elas. Quando esses tipos de distorções ocorrem, as pessoas às vezes têm certeza de suas memórias distorcidas ou falsas e muitas vezes passam a descrevê-las em detalhes substanciais. Essas descobertas lançam luz sobre casos em que falsas memórias são fervorosamente mantidas — como quando as pessoas se lembram de coisas que são biologicamente ou geograficamente impossíveis."

 

Outro experimento semelhante em 2002 descobriu que metade dos participantes foram enganados a acreditar que tinham feito um passeio de balão de ar quente quando criança, simplesmente mostrando-lhes "evidências" fotográficas adulteradas.

 

Este trabalho foi realizado por Kimberley Wade na Universidade de Warwick, Reino Unido. Para o projeto atual, ela foi convidada pelo Sr. Hopwood para participar de um verdadeiro passeio de balão de ar quente. Ela diz que estava muito animada para participar. "Eu tenho estudado a memória por mais de uma década, e ainda acho incrível que nossa imaginação possa nos enganar a pensar que fizemos algo que nunca fizemos e nos levar a criar memórias tão convincentes e ilusórias", diz ela.

 

A razão pela qual nossas memórias são tão maleáveis, explica Kimberley Wade, é porque há simplesmente muita informação para receber. "Nossos sistemas perceptivos não são construídos para notar absolutamente tudo em nosso ambiente. Levamos informações através de todos os nossos sentidos, mas há lacunas", acrescenta. "Então, quando nos lembramos de um evento, o que nossa memória finalmente faz é preencher essas lacunas pensando no que sabemos sobre o mundo."

 

Na maioria das vezes, memórias falsas são sobre situações cotidianas sem consequências reais, exceto o desentendimento ocasional com um amigo ou parceiro sobre coisas triviais como quem perdeu as chaves, novamente. Mas às vezes, falsas memórias podem ter ramificações mais sérias. Por exemplo, se um testemunho de testemunha ocular no tribunal contribui para uma falsa condenação.

 

Eventos simples e cotidianos que têm poucas consequências reais. No entanto, às vezes, essas falsas memórias podem ter consequências sérias ou até devastadoras. Uma falsa memória transmitida durante o testemunho criminal pode levar uma pessoa inocente a ser condenada por um crime. Claramente, a falsa memória tem o potencial de ser um problema sério, mas por que exatamente essas memórias incorretas se formam?

 

Usando técnicas não invasivas de imagem, Yoko Akado e Craig Stark compararam as áreas do cérebro que estavam ativas quando um sujeito estava codificando um evento complexo e, posteriormente, durante a exposição a informações enganosas. Por exemplo, os sujeitos foram convidados a assistir uma vinheta composta por 50 slides fotográficos mostrando um homem roubando a carteira de uma mulher e depois se escondendo atrás de uma porta. Um pouco mais tarde, os sujeitos foram apresentados ao que eles pensavam ser a mesma sequência de slides, mas sem que eles soubessem que o segundo conjunto de slides continha um item diferente do original (o homem se escondeu atrás de uma árvore, por exemplo, não uma porta). Dois dias depois, os sujeitos fizeram um teste de memória, que lhes pedia para recordar detalhes como onde o homem se escondia e qual apresentação - a primeira, segunda ou ambas - continha essa informação.

 

Stark e Akado encontraram evidências claras de que a atividade cerebral dos sujeitos previa se suas memórias do roubo seriam precisas ou falsas. Consistente com os achados de numerosos estudos anteriores que relataram que áreas como o hipocampo são altamente ativas durante a formação da memória. Okado e Stark encontraram atividade na cauda do hipocampo esquerdo e no córtex perirrinal onde foi correlacionado com a codificação bem-sucedida de um item na memória, mesmo quando a memória que foi formada era para um item falso. Mas em indivíduos que tinham formado falsas memórias, era perceptível que a atividade em outras áreas cerebrais, como o córtex pré-frontal, era fraca durante a exposição à segunda sequência de slides em comparação com durante a visualização original.

 

Okada e Stark sugerem que a atividade no córtex pré-frontal está correlacionada com a codificação da fonte, ou contexto, da memória. Assim, a fraca atividade do córtex pré-frontal durante a fase de desinformação indica que os detalhes da segunda experiência foram mal colocados em um contexto de aprendizagem e, como resultado, mais facilmente incorporados no contexto do primeiro evento, criando falsas memórias.

 

Falsas memórias também levaram a falsas acusações e falsas condenações por uma variedade de crimes, incluindo abuso sexual. Por exemplo, em 1994, uma professora pré-escolar de 26 anos cumpriu quatro anos de prisão depois de ser condenada por 115 acusações de abusar sexualmente de 20 crianças sob seus cuidados. Posteriormente, uma comissão composta por cerca de 50 cientistas concluiu que muitas das alegações implausíveis feitas contra o réu (que incluíam forçar as crianças a comer suas fezes e estuprá-las com facas e garfos) foram produzidas por falsas memórias. Como resultado, a condenação do réu foi anulada.

 

A tecnologia forense levou a que muitas dessas condenações fossem anuladas. O Projeto Inocência nos EUA faz campanha para derrubar a identificação errada de testemunhas oculares e lista todas as pessoas que foram posteriormente absolvidas. O projeto relata que houve 311 exonerações de DNA pós-condenação nos EUA, o que inclui 18 pessoas que foram condenadas à morte antes que as evidências de DNA fossem capazes de provar sua inocência.

 

Christopher French, da Universidade Goldsmiths, em Londres, diz que ainda há uma falta de consciência de como a memória humana não é confiável, especialmente no sistema legal. "Embora isso seja de conhecimento comum dentro da psicologia e amplamente aceito por qualquer um que tenha estudado a literatura, não se sabe muito sobre a sociedade de forma mais geral", diz ele. "Ainda há pessoas que acreditam que a memória funciona como uma câmera de vídeo, bem como pessoas que aceitam a noção freudiana de repressão - que quando algo terrível acontece a memória é empurrada para baixo no subconsciente."

 

O Prof. French também estava envolvido no projeto memória. Ele espera que isso crie mais consciência da maleabilidade da memória humana. O AR Hopwood também. Ele diz que ficou fascinado ao saber que as pessoas poderiam acreditar fortemente em um evento inteiramente imaginado. "O interessante é que as submissões se tornam mini-retratos da pessoa (ainda que anonimamente) mas a única coisa que você está descobrindo sobre essa pessoa é algo que realmente não aconteceu. Então, há um paradoxo adorável lá que eu sou muito atraído como artista", diz ele.

 

Segundo outro pesquisador, os erros que o cérebro humano comete às vezes podem servir a um propósito útil. Sergio Della Sala, neurocientista cognitivo da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, diz que pode ser pensado da seguinte maneira: imagine que você está na selva e você vê um pouco de grama se movendo. É provável que os humanos entrem em pânico e fujam devido a crença de que poderia haver um tigre à espreita.

 

No entanto um computador pode deduzir que 99% das vezes, é simplesmente o vento. Se nos comportássemos como o computador, seríamos comidos na única vez que um tigre estava presente. "O cérebro está preparado para cometer 99 erros para nos salvar do tigre. Isso é porque o cérebro não é um computador. Funciona com suposições irracionais. É propenso a erros e precisa de atalhos", diz o Prof. Della Sala. Falsas memórias são o sinal de um cérebro saudável, acrescenta. "Eles são um subproduto de um sistema de memória que funciona bem. Você pode fazer inferências muito rápido.

 

Memórias falsas também podem ter impacto nas decisões que as pessoas tomam no final de suas vidas, como o tipo de tratamento que querem, o tipo de cuidado que desejam ter e se querem ou não que intervenções de reanimação sejam realizadas.

 

Testamentos vivos são frequentemente apontados como uma maneira invalida de garantir que nossos desejos de fim de vida sejam observados. Testamentos vivos transmitem com precisão as decisões de fim de vida? De acordo com um estudo publicado na revista APA Health Psychology, essas diretrizes podem não ser tão eficazes quanto muitos acreditam pois, as preferências podem mudar ao longo do tempo sem que o indivíduo tenha conhecimento dessas mudanças.

 

"As vontades vivas são uma ideia nobre e muitas vezes podem ser muito úteis em decisões que devem ser tomadas perto do fim da vida", explicou Peter Ditto, da Universidade da Califórnia-Irvine, em um comunicado à imprensa. "Mas a noção de que você pode apenas preencher um documento e todos os seus problemas serão resolvidos, uma noção que é frequentemente reforçada na mídia popular, é seriamente equivocada."

 

No estudo, 401 participantes com mais de 65 anos foram questionados sobre qual tratamento para manutenção da vida que gostariam se estivessem gravemente doentes. Doze meses depois, esses indivíduos foram convidados a recordar as escolhas que haviam feito na primeira entrevista.

 

Aproximadamente um terço dos entrevistados mudou seus desejos ao longo do ano. Surpreendentemente, 75% desses indivíduos se lembraram falsamente de suas opiniões originais sobre vários tratamentos de fim de vida. Os pesquisadores também entrevistaram indivíduos que tinham autoridade para tomar tais decisões caso os participantes não estivessem conscientes. Esses indivíduos mostraram ainda menor consciência das mudanças nos desejos de seus entes queridos, com 86% dos entrevistados mostrando falsas memórias.

 

Ditto sugere que esses resultados indicam que as vontades vivas devem ter uma "data de validade". Mas o que as pessoas devem fazer para garantir que seus desejos finais sejam seguidos? "Em um nível mais pessoal", diz Ditto, "nossa pesquisa ressalta a importância de manter um diálogo contínuo entre indivíduos, suas famílias e seus médicos sobre opções de tratamento de fim de vida.

 

Fonte - sites: Neuroscience | Science Daily | BBC | Very Well Mind