Fastest-Pesquisa-Neuromarketing-logo.png

Viés retrospectivo

O viés retrospectivo é nossa tendência a olhar para trás em um evento imprevisível e pensar que era facilmente previsível. Também é chamado de efeito "sabia-disso-o-todo-tempo".

 

Onde esse viés ocorre

A maioria de nós trabalha e vive em ambientes que não são otimizados para uma tomada de decisão sólida. Trabalhamos com organizações de todos os tipos para identificar fontes de viés cognitivo e desenvolver soluções sob medida.

 

Considere isso hipotético: John e Jane têm uma relação fantástica. Eles estão loucamente apaixonados, e têm planos de morar juntos em alguns meses - pelo menos é o que John pensa.

 

Um dia após o trabalho, John recebe uma mensagem de Jane: "Precisamos conversar". De repente, ele fica preocupado. Está tudo bem? Jane ainda o ama? Ele notou alguma tensão entre eles nas últimas semanas. Acontece que Jane não está tão feliz com a relação. Ela precisa de uma pausa no relacionamento.

 

Ele sabia disso! John diz a si mesmo e depois a seus amigos. Agora que ele olha para trás em seu relacionamento, ele viu muitos sinais que apontavam para problemas: planos cancelados, constrangimento, ser ignorado por seus amigos e assim por diante. Ele sabia disso o tempo todo e então esta má notícia de Jane não foi surpresa para ele.

 

Um rompimento imprevisto torna-se previsível para John depois que acontece. Ele superestima sua habilidade de ter previsto o fim de seu relacionamento com Jane uma vez que o relacionamento de repente acabou.

Efeitos individuais

O viés retrospectivo pode ter uma influência negativa na nossa tomada de decisão. Ele pode levar a um excesso de confiança em nossa capacidade de prever essas consequências, pois parte do processo de tomada de boas decisões é avaliar realisticamente suas consequências.

 

Se olharmos para trás em decisões passadas iremos concluir que suas consequências eram realmente conhecidas por nós na época (quando não eram), então faz sentido que superestimemos nossa capacidade de prever as implicações de nossas futuras decisões. Isso pode ser perigoso, pois nossa confiança excessiva pode nos levar a correr riscos desnecessários. Pense em um jogador que olha para trás em perdas passadas como previsível, tornando-o cada vez mais confiante de que sua próxima viagem ao cassino será bem-sucedida.

 

Efeitos sistêmicos

Esse viés pode ter implicações preocupantes em diferentes áreas acadêmicas e profissionais. O estudo preciso de eventos ou tendências históricas e políticas passadas pode ser contaminado se os pesquisadores não conseguirem se colocar no lugar dos tomadores de decisão na época. Isso pode fazer com que detalhes que parecem óbvios, após ocorrido, sejam negligenciados. Direito, seguro e finanças dependem de avaliações realistas de risco baseadas em eventos passados semelhantes. O viés pode distorcer essas previsões.

 

Por que isso acontece

O viés retrospectivo acontece quando novas informações sobre uma experiência passada mudam nossa lembrança dessa experiência. De acordo com os cientistas psicológicos Neal Roese e Kathleen Vohs, existem três níveis nos quais isso pode ocorrer.

O primeiro nível é chamado de "distorção de memória". Envolve se lembrar mal de um julgamento passado ou opinião. Muitas vezes fazemos isso quando afirmamos que dissemos algo quando não dissemos. O segundo nível é centrado em torno de nossa crença de que um evento passado era inevitável. Roese e Vohs chamam esse grau de viés retrospectivo de "inevitabilidade". O último nível, "previsibilidade", implica acreditar que poderíamos ter previsto o evento. Assim, o viés ocorre quando nos lembramos mal de nossos pensamentos passados, pensamos que um evento passado era inevitável e, posteriormente, acreditamos que o evento era previsível.

A partir de sua revisão da literatura existente sobre viés retrospectivo, Roese e Vohs concluem que existem três tipos principais de variáveis que afetam os três níveis de viés retrospectivo para criar nossa tendência de superestimar nossas habilidades preditivas:

Cognitivo

Muitas vezes distorcemos a memória de eventos passados lembrando seletivamente de informações que confirmam o que já sabemos ser verdade. Fazemos isso para criar uma história que faça sentido com as informações que já temos no que é conhecido como "fazer sentido". Isso está relacionado ao viés de confirmação.

Metacognitivo

Metacognição é quando pensamos em nossos pensamentos. Quando as pessoas acham fácil pensar e entender um julgamento passado ou um evento (um pensamento anterior), elas podem confundir facilidade com certeza. Muitas vezes é fácil entender como ou por que um evento aconteceu em retrospectiva, devido, pelo menos em parte, à disponibilidade heurística. Isso nos faz ter certeza de que é um entendimento que tínhamos antes.

Motivacional

Nos traz conforto pensar que o mundo é ordenado e previsível. Isso pode nos motivar a ver eventos imprevisíveis como previsíveis. Também é bom pensar que suas previsões estavam certas ou que você " sabia-disso-o-todo-tempo " mesmo que você não soubesse. Pesquisas mostram que nossas ações são muitas vezes subconscientemente motivadas para promover uma visão positiva de nós mesmos.

 

Por que é importante

É importante que estejamos cientes das implicações que isso pode ter em nossas vidas. Como mencionado anteriormente, o excesso de confiança que muitas vezes temos pode ter implicações prejudiciais. Uma parte essencial para tomar boas decisões em nossas vidas pessoais e profissionais é ter previsões realistas sobre o futuro. O viés retrospectivo fica no caminho distorcendo o histórico interno que temos de nossas previsões passadas. Isso pode levar a previsões futuras excessivamente confiantes que justificam decisões arriscadas com resultados ruins.

 

De forma mais ampla, o viés nos impede de aprender com nossas experiências. Se já sentimos que sabíamos algo o tempo todo, é improvável que reflitamos cuidadosamente sobre seu resultado, e isso certamente nos impedirá de entender por que nossas previsões no momento podem ter sido erradas. Em última análise, isso pode nos impedir de entender a verdadeira natureza de um evento ou de identificar questões na forma como fazemos previsões.

 

Se você sente que sabia disso o tempo todo, significa que você não vai parar para examinar por que algo realmente aconteceu..."Muitas vezes é difícil convencer os tomadores de decisão experientes de que eles podem ser vítimas de viés de retrospectiva" - Neal Roese, especialista em psicologia do julgamento e tomada de decisões.

Fastest-pesquisa-de-neuromarketing-vies-retrospectivo-2.jpg

Como evitá-lo

Uma maneira que Roese e Vohs sugerem para contra-atacar o viés retrospectivo é considerar e explicar como os resultados que não se desenrolaram poderiam ter se desenrolado. Ao revisar mentalmente todos os resultados potenciais, um evento parecerá menos inevitável e previsível. No entanto, Roese e Vohs observam que não devemos considerar um número esmagador de resultados alternativos, pois o tomador de decisão poderia interpretar mal essa dificuldade como uma indicação de sua implausibilidade em vez de seu número absoluto.

 

Outra maneira de lidar com o excesso de confiança perigosa é acompanhar suas decisões passadas e suas previsões associadas. Isso pode ser feito no que é conhecido como um "diário de decisão", que é semelhante a um diário, mas detalha suas decisões e o que você estava pensando quando as fez. Ter um histórico inalterável das previsões associadas às suas decisões (o que certamente mostrará algumas previsões falsas) pode evitar o erro de pensar que você sempre " sabia-disso-o-todo-tempo".

Como tudo começou

Embora o fenômeno " sabia-disso-o-todo-tempo" não seja novo, seu estudo científico formal começou no início da década de 1970. Motivado pelo trabalho de seus supervisores, Daniel Kahneman e Amos Tversky, sobre heurística, Baruch Fischhoff foi o primeiro a estudar o viés retrospectivo experimentalmente. Ele foi motivado por um artigo de Paul Meehl sobre médicos exagerando seu sentimento de ter sabido o tempo todo como seus casos de pacientes iam acabar.

 

Interessado no fenômeno e sua aplicação à previsibilidade de eventos políticos em retrospectiva, Fischhoff juntou-se à pesquisadora Ruth Beyth-Marom para testar a hipótese em 1975. Para isso, Fischhoff e Beyth pediram aos participantes que previssem a probabilidade dos vários resultados da próxima viagem do presidente dos EUA Nixon à China e à União Soviética.

 

Uma vez que Nixon terminou a viagem, Fischhoff e Beyth pediram aos participantes que recordassem suas previsões iniciais. Os resultados mostraram que os participantes não se apegaram às previsões que fizeram antes da viagem, mas, em vez disso, gravitaram em direção aos resultados reais da viagem. Em outras palavras, eles recordaram suas previsões de forma diferente, favorecendo resultados que eles sabiam que eram verdadeiros em retrospectiva. Este estudo inspirou uma investigação científica mais ampla sobre o viés retrospectivo.

 

Exemplo 1 - Previsões políticas

Não é incomum ouvir as pessoas afirmarem que previram o resultado das eleições políticas. Os pesquisadores Dorothee Dietrich e Matthew Olson realizaram um estudo em 1993 para avaliar até que ponto os eleitores alteram suas previsões após uma eleição.

Dietrich e Olson pediram a 57 estudantes universitários da Universidade Hamline para prever como o Senado dos EUA votaria a confirmação do candidato da Suprema Corte Clarence Thomas. Mais especificamente, os participantes foram convidados a prever o resultado da votação, como ela seria dividida entre os partidos no Senado e para indicar o quão confiantes estavam em sua previsão. Um mês após a votação, os participantes foram então convidados a recordar suas previsões e nível de confiança.

 

Os resultados apoiaram a influência do viés retrospectivo: antes da votação no Senado, 58% dos estudantes previram que Thomas seria confirmado. Mas quando os alunos foram interrogados após a confirmação bem-sucedida, 78% deles alegaram que achavam que Thomas seria aprovado.

 

Exemplo 2 - Culpar vítimas

Tanto no tribunal quanto na opinião pública, o viés retrospectivo pode ter um papel a desempenhar na "culpabilidade das vítimas". Como mencionado acima, parte da razão pela qual o viés surge é que muitas vezes procuramos as explicações e previsões mais fáceis para rapidamente dar sentido ao mundo. É mais fácil focar nos indivíduos e em suas ações em causas mais matizadas e sistêmicas. Também é fácil formar e apoiar previsões para eventos que já ocorreram.

 

Isso pode explicar a prevalência de "culpabilidade das vítimas" em casos envolvendo agressão sexual. Vítimas desses casos ou "sobreviventes" são frequentemente culpadas por sua aflição usando a lógica, "deveriam ter sabido" em retrospectiva. De fato, estudos têm demonstrado que esse viés contribui para a derrogação da vítima em casos de estupro.

Fonte

Texto originalmente escrito em inglês produzido pelo site https://thedecisionlab.com