Fastest-Pesquisa-Neuromarketing-logo.png

Neurociência e a Proporção Aurea

 

Cibele Marques de Souza, Diretora de Marketing da FasTest Brasil e João Pentagna, sócio-fundador da Atingir + abordam o tema “Neurociência e a Proporção Áurea” juntamente com Shirlei Camargo, Doutora em Estratégia de Marketing pela Universidade Federal do Paraná, cursando Mestrado em Neuromarketing pela Universidade Católica de Granada.

 

Tópicos abordados neste Episódio:

- O que é Proporção Áurea

- Qual é a origem da Proporção Áurea

- Qual sua ligação com a neurociência

- Como aplicar na prática

- Quando devemos utilizar a Proporção áurea

Cibele abre o Podcast dizendo que muitas obras arquitetônicas e artísticas teriam se inspirado na ideia da Proporção áurea para serem construídas. De acordo com alguns estudiosos quase todas as coisas existentes na natureza, inclusive nosso corpo.

 

Shirlei diz que quando a gente fala em Proporção Áurea fica um ar de mistério no ar. Explica que Proporção Áurea é um conceito relacionado com a estética, com o belo, considerando a harmonia e a proporção das formas. Algumas pessoas também, às vezes, chamam de seção Áurea, de média Áurea, de Proporção divina, que é o nome que surgiu na época dos renascentistas.

Ela diz que uma explicação matemática é que ele é um número irracional como aqueles que não podem ser resultados de uma divisão de dois números inteiros. Cita um exemplo da raiz quadrada de 5 e dividi-la por 2 vai dar o número que é 1,618. Então essa Proporção vem da matemática e a gente consegue inclusive construi-la geometricamente falando. Com régua e compasso consigo construir essa Proporção.

 

Também se pegarmos, por exemplo, a sequência de Fibonacci que consiste em uma sucessão infinita de números que obedecem a um padrão em que cada elemento subsequente é a soma dos dois anteriores. Assim, após 0 e 1, vêm 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144, etc. É representada pela divisão de uma reta em dois segmentos (a e b), sendo que quando a soma desses segmentos é dividida pela parte mais longa, o resultado obtido é de aproximadamente 1,61803398875. Este valor é chamado de "número de Ouro".

Podemos ver, em vários contextos da Matemática, aparece essa Proporção Áurea.

 

As antigas pirâmides do Egito, várias construções da Grécia antiga, por exemplo, o Parthenon, têm essa Proporção Áurea em sua arquitetura. São obras belíssimas e extremamente harmoniosas. As obras artísticas também como a Monalisa, o teto da Capela Sistina e também a bem famosa do Michelangelo, A Criação de Adão também tem Proporção Áurea

Na própria natureza as plantas como as samambaias, flores, conchas - a concha Nautilus tem um desenho contendo uma espiral em Proporção Áurea. Até nos furacões e no corpo humano encontramos essa proporção.

 

Shirlei cita o exemplo de pegarmos nossa própria altura e dividirmos pela altura até nosso umbigo, chegaremos nesse número também, o 1,618.

Ela conta que a Proporção Áurea surgiu antes de Cristo. A primeira vez que ela foi citada, na história da humanidade, foi em uma série de livros chamados “Os Elementos” do matemático grego, Euclides. Ele a chamava de Proporção ou sessão. Há 300 anos antes de Cristo eles já conheciam Proporção Áurea e já aplicavam em seus projetos de arquitetura, em suas esculturas. Interessante que também foram os gregos que aprenderam aplicar essa proporção nas formas geométricas. Foram eles que criaram o retângulo áureo que é a transformação de um quadrado em um retângulo usando essa Proporção.

 

Esse conceito aparece muito fortemente com os renascentistas. Por exemplo, Leonardo da Vinci que retomou toda essa teoria e aplicava e em todas as suas obras. A palavra “áurea” ou “ouro” ela foi inserida por um matemático alemão no começo de 1830.

 

Shirlei explica que a Proporção Áurea tem relação direta com a Neurociência. Os consumidores decidem de forma inconsciente e depois a justificam racionalmente e a Proporção Áurea ajuda nesta tomada de decisão. Já foi provado que o ser humano prefere objetos e imagens que tenham essa proporção e uma mínima distorção tem um forte impacto negativo no nosso cérebro.

 

Ela comenta que existe um artigo de quatro pesquisadores sérvios que aplicaram essa proporção em embalagens de produtos - formas triangulares, circulares, redondas etc. Umas sem a Proporção Áurea e a outras com Proporção Áurea. Também sem cor para que esse fator não influenciasse a decisão das pessoas durante o experimento. Ficou muito claro que as pessoas preferiam as embalagens que tinham essa Proporção Áurea.

 

Outro estudo bem interessante, de pesquisadores italianos, pegaram para experimento a estátua da Vênus de Milo e também do nascimento de Vênus e as colocaram em formato normal, com Proporção áurea e fizeram uma pequena distorção. Deixaram as pernas um pouco maiores em uma, a outra com o tronco um pouco maior e pediram para pessoas escolherem qual daquelas figuras elas achavam mais interessantes. Novamente, foi comprovado que a maioria das pessoas escolhem exatamente aquelas que não sofreram alteração, que tinham a Proporção Áurea.

Mais interessante foi que, através do eyetracking (equipamento de Neurociência que capta o movimento oculares) quando as pessoas olhavam para as figuras que tinham a Proporção Áurea, elas fixavam menos tempo nestas do que nas outras que estavam distorcidas. A Proporção Áurea facilita o nosso processamento visual e como sabemos, o cérebro evita a fadiga, ele busca sempre caminhos mais fáceis. Quando vemos algo concebido com a Proporção Áurea o processamento visual é mais fácil.

 

Outros pesquisadores italianos fizeram experimentos bem parecidos, mas utilizando a estátua do Davi, de Michelangelo. Também distorceram a Proporção e mediram através do FMRI para verificar quais áreas do cérebro eram acionadas quando eram impactadas com as imagens do experimento. As áreas cerebrais acionadas eram diferentes com a imagem original, com a Proporção (que os respondentes gostaram mais) e a do experimento, sem a Proporção.

 

Cibele pontua que, em sua experiência profissional, nos estudos de desenvolvimento de produto sempre se observou a economia de material como um fator importante em relação a custo. No entanto, uma embalagem criada seguindo a Proporção Áurea pode não trazer economia, mas aumento em vendas pela maior aceitação do produto no ponto de venda. Shirlei complementa dizendo que nem tudo se resume a economia. Deve-se considerar outros elementos para chegar ao resultado final além dos custos envolvidos.

João complementa que hoje em dia existem as ferramentas de Pesquisa de Neuromarketing, cada vez mais acessíveis, que nos permitem testar qualquer coisa. Pode-se desenvolver designs com e sem Proporção áurea, testar e concluir com base em dados se a opção menos econômica vai trazer o retorno sobre o investimento, maior. Shirlei diz que, dependendo do objetivo da marca, da empresa, pode ser que não caiba a Proporção Áurea. É algo que parece difícil, mas é bem simples. Serve para desde o layout de uma página de um ecommerce, a capa de um livro, um outdoor até uma embalagem, por exemplo.

 

A Proporção Áurea originou, por exemplo, a espiral Áurea. Se pegarmos retângulos áureos e traçarmos arcos, criamos espirais agradáveis esteticamente, que é exatamente a espiral da concha citada no início deste episódio. É possível aplicá-la, por exemplo, em um layout para um post no Facebook, por exemplo.

 

Existem também os Círculos Áureos, que são círculos desenhados dentro do retângulo áureo. Uma derivação dessa teoria é a aplicação do Ponto Áureo. Por exemplo, no caso de um retângulo áureo, cada lado deve ser dividido em 8 partes iguais, na sequência deve-se traçar uma linha na terceira parte dos dois lados. Onde essas duas linhas encontram-se é o Ponto Áureo. Pesquisas mostram que esse é um ponto onde as pessoas prestam atenção sempre que batem o olho em algo. Shirlei recomenda que, colocar ali marca ou um produto ou até mesmo já utilizar a técnica de Neuromarketing usando rostos humanos bem neste ponto, a chance de chamar a atenção do consumidor é muito maior.

 

Toda essa técnica da Proporção Áurea pode ser encontrada hoje em logos como Pepsi, Apple, Twitter. Ela cita como dicas de aplicação utilizar sempre o número 1,618 e suas proporções.